Olá, sou Nirvana Marinho, artista da dança, gestora cultural, doutora em Comunicação e Semiótica (PUC-SP, 2006), ano aquele que justamente pesquisei sobre políticas do corpo contemporâneo e vivenciei um processo artístico em coletivo – T1 –, dirigido por Adriana Grechi. Aqui, convidada a mediar nossos debates acerca dos Coletivos Artísticos em Dança na atualidade, depois de alguns anos de intensa efervescência desse “modo de existir”, como assim propõe o projeto de Villas, do SESC Santo Amaro.

Temos nesse blog – Santo Amaro em Rede – a apresentação do projeto, a programação, e a partir de hoje uma série de posts que pontua as questões propostas, apresenta os coletivos convidados a estar nos dias 28 de agosto a 2 de setembro de 2012 aqui no SESC Santo Amaro para a 1ª edição do Modos de Existir, Coletivos Artísticos.

Estratégia de atuação, militância artístico-cultural, identificação de um novo modo de intervir na cena, corpo e movimento, o que nos assemelha neste estado de Coletivos Artísticos é uma flecha certeira apontada para uma atuação política na arte contemporânea. Reconhecemos que o gesto em cena evidencia, como sempre o fez, a ambiência que lhe pertence, do mesmo modo que evidencia também o procedimento de criação pelo qual o gesto se dá. O modo de existir. O trabalho, a artesania, lado a lado com o modo de fazer.

Também assistimos, nestes últimos cinco anos, novas pesquisas, novos coletivos, velhos reinventados ou dissidentes, e estar junto para falar disso é uma oportunidade política de atuação no universo da dança e de seu fazer cultural.